Redes Socias Virtuais

12 04 2010

Tema

Redes Sociais Virtuais

Objetivo

Informar às pessoas sobre o que realmente são as redes sociais virtuais, como foram criadas, seus objetivos, curiosidades, as facilidades na troca de informações e na comunicação que trouxeram, além do lazer.

Por ser um tema abrangente e atual, e que a maior parte das pessoas tem acesso, acreditamos ter grande aceitabilidade e interesse do público.

Disciplinas envolvidas:

Laboratório de Informática Aplicada – Professor Rodrigo Carvalho

Estastística – Professor Luiz Eduardo Comin

___

Introdução

Nesse trabalho vamos falar sobre as Redes Sociais Virtuais, que são grupos na internet que permitem o partilhamento de dados e informações gerais ou específicas. Há grupos formados por afinidade,  interesses comuns, que formam as comunidades virtuais; também existem espaços abertos para discussões, exposição de ideias e opiniões e debates.

Alguns exemplos mais comuns são o Orkut, onde é possivel postar fotos,  se comunicar e ter acesso a aplicativos, o Twitter,  que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos, o Facebook, que é basicamente a junção do Orkut e Twitter, entre outros.

Hoje as redes sociais são responsáveis pela maior parte do tráfego na internet, sendo uma das principais formas de relacionamento pessoais e profissionais.

(Postado em 06/05/2010.)

 

Questionário

1. Idade: ___

2. Sexo

( )Feminino      ( )Masculino

3.  Renda Familiar:

______________________

4. Escolaridade:

( )Ensino Fundamental

( )Ensino Médio

( )Ensino Superior

5. Estado Civil:

( )Solteiro      ( )Casado    ( )Divorciado

Sabendo que Redes Sociais Virtuais são grupos na internet que permitem partilhar dados e informações, tendo como exemplo o Orkut. Responda:

6. Você utiliza o computador:

( )Em casa       ( )Em Lan House       ( )No trabalho       ( )Na escola

( )Outros:______________________

7. Você utiliza ou já utilizou alguma dessas Redes Sociais Virtuais?

( )Orkut       ( )Twitter       ( )Facebook      ( )Nenhuma

( )Outros: ______________________

8. Se a utiliza, com qual finalidade?

( )Lazer      ( )Trabalho      ( )Não utilizo

( )Outras:______________________

9. Quanto tempo, em média, você passa utilizando-as por dia? (Se 7 for “nenhuma”, não responder.)

( )No máximo uma hora.

( )Entre duas e quatro horas.

( )Mais de quatro horas.

10. Você se considera um “viciado virtual”?

( )Sim       ( )Não

11. Você já foi prejudicado pelo uso de Redes Sociais?

( )Sim       ( )Não

12. Você acredita em tudo que lê e vê nas Redes Sociais?

( )Sim       ( )Não

13. Você acha que as Redes Sociais tiram a privacidade das pessoas?

( )Sim       ( )Não

14. Você acha que as Redes Sociais são um meio de comunicação fácil e viável? (Considerando a necessidade  de  computador  com internet)

( )Sim       ( )Não

15. Você acredita em relacionamentos amorosos iniciados/mantidos através das Redes Sociais?

( )Sim       ( )Não

16. Você acredita que as Redes Sociais Virtuais podem ajudar pessoas a conseguir emprego?

( )Sim       ( )Não

17. Qual a Rede Social Virtual que você mais ouve falar?

____________________________.

(Postado em 13/05/2010.)

Referências

1. Uma nova pesquisa realizada nos Estados Unidos comprovou o crescimento contínuo das redes sociais e suas perspectivas para o futuro.

O dado que mais chama a atenção  não é o número de pessoas que participam, mas sim dos que não participam. Ao todo, 42% dos internautas americanos que não sabem o que são as redes sociais e portanto não participam de nenhuma delas. Imagine essa quantidade no Brasil, e quanto podemos crescer. Confira os dois gráficos divulgados.

Valores gastos com puplicidade em redes sociais

Quantidade de usuários em redes sociais nos Estados Unidos

(Postado em 20/05/2010. Retirado do site http://www.profissionaisdeweb.com/web-20/estatisticas-de-crescimento-das-redes-sociais/).

2. Ranking de usuários da rede social Orkut por país:

Demografia do Orkut em 13 de abril de 2010
Brasil 48.0%
Índia 39.2%
Estados Unidos 2.2%
Japão 2.1%
Paquistão 1.0%
Outros 5.3%

 

(Postado em 20/05/2010. Retirado do site http://pt.wikipedia.org/wiki/Orkut).

3. Vídeo

O vídeo mostra que uma reunião entre pessoas pode ser organizada através da comunicação por uma rede social (no caso, o Twitter). Mostra também que hoje em dia pessoas de diferentes idades podem utilizá-las, e a possibilidade de conseguir emprego através da mesma.

(Postado em 27/05/2010).

3. Pessoas chegam a informar no Facebook o endereço e quando viajam, facilitando a vida dos criminosos.

52% dos usuários divulgam dados que não deveriam

Mais da metade dos usuários de redes sociais nos Estados Unidos estão divulgando dados que não deveriam. São informações que tornam as pessoas vulneráveis a ataques de cibercriminosos, segundo uma pesquisa feita pela Consumer Reports.

A publicação, que divulgou  o estudo State of the Net, afirma que 52% dos adultos que usam redes sociais como Facebook, Myspace e Twitter, publicam informações pessoais que servem para ataques de cibercriminosos ou mesmo para furtos tradicionais.

E o levantamento mostra que o número de norte-americanos que usam redes sociais dobrou do ano passado para cá. Foram entrevistadas 2 mil  pessoas para o levantamento.

“Muita gente usa esse tipo de serviço para compartilhar dados e fotos com outros amigos, mas esquece de adotar os recursos de proteção de privacidade oferecidos, o que significa um sério risco”, afirma o editor da Consumer Reports, Jeff Fox.

Entre os dados que são publicados pelos usuários estão endereços de casas, data de nascimento e fotos e nomes dos filhos. Nas mãos de criminosos, esses dados podem ser usados para golpes online ou mesmo sequestros, por exemplo.

A pesquisa mostra que no Facebook, 63% publicam suas fotos, 42% divulgam data de nascimento, 16% publicam os nomes dos filhos e 7% chegam a publicar seus endereços.

Entre as dicas oferecidas pela Consumer Reports para manter a segurança nesse ambiente online estão:

  • Nunca fornecer número de telefone ou endereço completo.
  • Ser vago ao publicar informações sobre férias ou viagens de negócio (assim os criminosos não saberão quando sua casa estará vazia).
  • Use senhas “fortes”, que combinam letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos (nada de usar a data de nascimento).
  • Nunca divulgue os nomes de seus filhos, mesmo em tags de fotos (identificação da imagem) ou nas legendas.

(Postado em 03/05/2010. Retirado do site http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2010/05/04/52-dos-usuarios-de-redes-como-facebook-divulgam-dados-que-nao-deveriam/).

4. Mais sobre Redes Sociais

Podemos ver com mais intensidade a cada dia a utilização de mídias sociais como MSN, Twitter, Facebook na divulgação online.

A publicidade online que surgiu nos próprios sites de empresas com a intenção de oferecer informações a respeito de produtos, hoje atinge uma vertente muito maior.

O marketing digital tem como objetivo pesquisar mercados, divulgar produtos, serviços e marcas coorporativas no cyberespaço.

Segundo a consultoria Gartner, uma das principais tendências tecnológicas para o mercado em 2010 é utilização de mídias sociais. Previsões apontam que até 2012, mais de 50% das empresas farão uso de ferramentas de micro blog, como o Twitter.

Muitas pessoas perguntam se essa questão de mídias sociais é apenas uma fase ou se é uma tendência. Empresas como a Pepsi, que deixou de anunciar no Super Bowl para investir 20 milhões de dólares em mídias sociais, acreditam que isso é sim uma tendência.

De acordo com a Forrester, o marketing interativo terá o crescimento anual de 16% até 2014.

Marcas como Twitter, Orkut e Facebook estão em toda a parte. Aparelhos tecnológicos, em sua maioria, estão sendo “equipados” para utilização do Facebook e/ou de serviços de mensagens instantâneas.

(Postado em 10/06/2010. Retirado do site

http://quasepublicitarios.wordpress.com/2010/03/31/redes-sociais/).

5. Redes sociais mantêm fotos apagadas por usuários, diz pesquisa

Uma pesquisa feita por estudiosos da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, indica que sete sites de redes sociais mantêm na internet por até 30 dias as fotos que seus usuários apagaram.

Os pesquisadores colocaram fotos em 16 sites populares – anotando os endereços de rede onde as imagens foram armazenadas – e então apagaram as fotos.

A equipe afirma que conseguiu encontrar as fotos novamente em sites como o Facebook, o MySpace e o Hi5, usando os endereços diretos para as fotos, mesmo depois de elas aparentemente terem sido apagadas até 30 dias antes.

Os pesquisadores afirmam que páginas de compartilhamento de fotos como Flickr ou Picasa, do Google, tiveram um desempenho melhor, e que as fotos foram imediatamente eliminadas do Orkut.

“Isto demonstra como as páginas de redes sociais frequentemente têm uma abordagem preguiçosa à privacidade do usuário, fazendo o que é mais simples em vez de fazer o que é certo”, disse Joseph Bonneau, um dos pesquisadores.

Reagindo à pesquisa, um porta-voz do Facebook garantiu que “quando um usuário apaga uma fotografia no Facebook, ela é removida de nossos servidores imediatamente.”

“No entanto, URLs para as fotografias podem continuar existindo na Rede de Entrega de Conteúdo (CDN, na sigla em inglês), depois que os usuários apagam as imagens do Facebook, até que algo seja escrito por cima. Isto geralmente ocorre depois de um período curto.”

A pesquisa foi publicada no blog Light Blue Touchpaper, dos pesquisadores do Grupo de Segurança do Laboratório de Computação da Universidade de Cambridge.

(Postado em 17/06/2010. Retirado do site http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/05/090521_redesocialfotosfn.shtml).

 

6. Internautas brasileiros são os que mais acessam as redes sociais
Pesquisa da Nielsen indica que 86% dos internautas estão nas redes.
78% dos italianos e 77% dos espanhóis participam de comunidades on-line.

Os brasileiros são os internautas que mais acessa as redes sociais e os blogs, de acordo com os dados de abril divulgados pela empresa especializada em internet Nielsen.

No país, 86% dos internautas estão conectados a redes sociais sendo que em abril cada brasileiro dedicou, em média, mais de cinco horas por mês a esses tipos de sites. Parte dessa popularidade se deve ao Orkut. Criado em 2004, em setembro de 2005 metade dos usuários do site já era brasileira.

O estudo reflete um aumento de 24% nas visitas às redes sociais durante o último ano e afirma que a expansão e a presença das redes sociais e blogs é uma tendência irreversível. Pela primeira vez, os internautas dedicam às redes sociais uma de cada quatro horas que passam conectados a internet, 66% mais que um ano atrás.

Em segundo lugar estão os italianos: 78% estão nessas redes. Entre os espanhóis, são 77% dos usuários. Na Itália, o Facebook é um dos sites mais visitados. A rede social é, inclusive, mais popular que nos mercados de língua inglesa – Austrália, Reino Unido e Estados Unidos –, ao contar com 66% de usuários ativos, contra 63% do primeiro e 62% dos dois outros países.

Só a Austrália supera a Itália no tempo em que seus internautas passam no site, com sete horas e 45 minutos em média frente às sete horas do país europeu.

Na Espanha, o Facebook ganhou 57% dos usuários, atrás do Reino Unido e com a mesma percentagem da França.

Apesar de sua expansão em muitos países europeus e de língua inglesa, o Facebook tem dificuldade para penetrar no Japão, onde só conta com 3% de usuários.

Quanto aos sites da internet mais populares, o Google se mantém no topo, com 82% de visitantes, onde o usuário passou de uma hora e meia a 21 minutos em abril.

Em segundo lugar, ficou o conjunto de buscadores e portais da Microsoft, (MSN, WindowsLive e Bing), com 62%, que superou o Facebook (54%) e o Yahoo! (53%).

Apesar de seu terceiro lugar em popularidade, a rede social Facebook foi o site em que os internautas de todos os países passaram mais tempo, em média seis horas por pessoa.

(Postado em 24/06/2010. Retirado do site http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2010/06/internautas-brasileiros-sao-os-que-mais-acessam-redes-sociais.html).

7. Qual o Perfil do Usuário de Redes Sociais?

Um estudo realizado pela Anderson Analytics revelou a demografia e a psicografia dos usuários de redes sociais no Facebook, MySpace, Twitter e LinkedIn. O objetivo final era de fornecer informações sobre os interesses dos usuários e hábitos de compra relacionados à sua rede escolhida. O resultado final é uma visão detalhada dos perfis e hábitos dos usuários das redes sociais na web atualmente. Aqui nós vamos aprofundar nos detalhes sobre as redes específicas estudadas.

Facebook

Como ouvimos antes, os usuários do Facebook são mais velhos e melhores de vida. São mais propensos a serem casados (40%), caucasianos (80%) e aposentados (6%) comparando com os usuários de outras redes sociais. Eles possuem a segunda maior média de renda (US$61.000 ao ano) e uma média de 121 conexões.

Em geral, não há uma área de interesse para este grupo de redes sociais. De 45 categorias, as de notícias nacionais, esportes, exercícios, viagens, casa e jardim ficaram ligeiramente superiores ao resto. Isto é provavelmente por esta rede ter a maioria dos usuários, além de conter um elevado número de usuários dentro de cada área demográfica.

Os usuários do Facebook também são extremamente fiéis: 75% dizem que o Facebook é o site favorito e 59% dizem que aumentou o seu uso nos últimos 6 meses.

MySpace

Os usuários do MySpace são jovens a cada dia que passa possui menos usuários. Mesmo aqueles participantes que afirmaram utilizar o serviço disseram que tem usado cada vez menos o site nos últimos 6 meses.

Os usuários desta rede social estão mais interessados em se divertir, especialmente nas áreas de amizades, humor e vídeo games. Eles são os que menos se interessam por exercícios. Curiosamente, apesar de que a maioria dos usuários é jovem, eles procuram informações de famílias mais do que os usuários de qualquer outra rede social.

O rendimento médio do usuário do MySpace é o mais baixo (US$ 44.000). Eles são mais suscetíveis a serem negros (9%) ou hispânicos (7%), serem solteiros (60%) e estudantes (23%).

Twitter

Os usuários do Twitter são mais propensos a terem empregos de meio horário (16% sendo que a média é 11%) e têm renda média de US$58.000. O usuário comum do Twitter possui 28 seguidores e segue 32 pessoas.

O grupo do Twitter está especialmente interessado em notícias, restaurantes, esportes, política, finanças pessoais e religião. Eles também estão por dentro da cultura pop, sendo na música, cinema, TV e adoram um ranking. Seus interesses refletem em seus hábitos de compras, já que são mais propensos a compra de livros, filmes, sapatos e cosméticos.

Porém, este grupo não é tão leal à rede: 43% disseram que poderiam viver sem o Twitter.

LinkedIn

Não é surpresa que uma rede de negócios é aquela que possui a maior média de renda (US$89.000). Também não é surpresa que os usuários do LinkedIn aderiram à rede para fins profissionais, especificamente para manter contato com empresários, busca de ofertas de emprego, desenvolvimento de negócios e recrutamento.

Eles tendem a gostar de notícias, informações profissionais, esportes e política. Eles também gostam de academias (possivelmente as mais caras), spas, yoga, golf e tênis. Não é novidade que os usuários do LinkedIn são os que possuem mais gadgets. Em particular, eles gostam de câmeras digitais, TV de alta definição, DVRs e Blu-ray.

No entanto, para descontrair eles possuem alguns interesses interessantes: apostas e novelas. 12% buscam informações de apostas na web e 10% buscam na web notícias de novelas.

A maior parte deste grupo são homens, sendo que a proporção entre o sexo masculino e feminino é de 57% para 43%.

Conclusão

Os resultados deste estudo confirmaram em alguns casos o que já sabíamos. Mas é importante ter confirmação de mais fontes, para dar mais precisão aos dados para que profissionais que precisam dele sejam beneficiados. Além disso, através destas pesquisas conseguimos dados dos interesses dos usuários e alguns insights interessantes sobre diversos grupos. Como disse, esses dados são muito importantes para profissionais de marketing que procuram capitalizar melhor seus gastos em anúncios nas redes sociais.

(Postado em 01/07/10. Retirado do site http://readwriteweb.com.br/2010/02/14/qual-o-perfil-do-usuario-de-redes-sociais-parte-2/).

8. Curiosidade mórbida nas redes sociais

Curiosidade ou saudades levam utilizadores a ver redes sociais de quem morreu.

Começa com a história de Elaine Santos. Elaine Santos passou de um dia para o outro a ter 700 seguidores no Twitter porque anunciou no dia 31 de Maio que iria viajar para França. Foram muitos os que pensaram que esta se encontrava entre as vítimas do vôo 447, como refere o jornal Globo.

Este foi um caso que atraiu a comunidade virtual. Estas comunidades são também uma forma de prolongar a vida de pessoas que já morreram como é o caso de continuarem a visitar os Hi5 e outras redes sociais.

“Acho que as pessoas acrescentaram-me porque têm curiosidade mórbida. Pouco mais da metade adicionou-me antes de eu dar qualquer sinal de vida e, aí, pode haver dois motivos. Elas queriam ter notícias posteriores a meu respeito ou a sensação de proximidade de alguém que estava em um acidente que causou comoção mundial”, explica a utilizadora do Twitter.

Maria Helena Pereira Franco, coordenadora do laboratório de estudos e intervenções sobre o luto da PUC-SP, revelou que as redes sociais são uma manifestação pós-moderna de luto, para dar continuidade à relação interrompida.

Já o estudante Erik Wiliam Lopes, de 14 anos, passou por uma situação parecida, mas no Orkut. Um desconhecido divulgou que o jovem tinha morrido e este recebeu várias mensagens de “descanse em paz”.

“Em geral a morte é um assunto que atrai o interesse do ser humano”, revela o psiquiatra Marcelo Mello.

Depois da morte de alguém continuam as passagens nos perfis do Twitter ou do Facebook, os cliques nas fotos do Flickr e o registro de mensagens trocadas na internet em vida. Seja para matar saudades ou para acabar com a curiosidade de saber mais sobre a morte de um desconhecido.

(Postado em 08/07/10. Retirado do site http://www.tvi24.iol.pt/tecnologia/tvi24-tecnologia-redes-sociais-morte/1071330-4069.html )

9 . Twitter fatura prêmio INFO em redes sociais

SÃO PAULO – Dessa vez, a principal rede social do país não faturou o prêmio de melhor rede social no prêmio INFO. O pódio ficou com o Twitter.

O Twitter, que veio numa onda de crescimento durante o ano no Brasil e no mundo, desbancou o orkut, a principal rede social no país na categoria rede social do Prêmio INFO 2009. O site de mensagens de até 140 caracteres registrou em outubro, 58,3 milhões de usuários no mundo – 8,7 milhões deles aqui. São Paulo, inclusive, está entre as cidades que mais usam o serviço no mundo. Enquanto isso, o orkut continua dominando em números e registrou 27,1 milhões de visitantes únicos em outubro. Do total de brasileiros que navega na internet no país, 74% têm perfis na rede social do Google.

No único prêmio que o Google não faturou, o Twitter registrou 45% dos votos dos leitores da INFO. Mas a disputa foi voto a voto. O orkut ficou com 44%. Em terceiro lugar ficou o Facebook, com 11%. O site vem crescendo no país, alavancado principalmente pelo uso de jogos como FarmVille e MafiaWars.
Na categoria Tuiteiro do ano, Marcelo Tas desbancou o governador do estado de São Paulo, José Serra, e o supertuiteiro Carlos Cardoso. Tas ficou com 62% dos votos.

Nos vídeos, os vencedores da noite foram a cantora Susan Boyle, com 62%, que ganhou de Keyboard cat (20%) e do Funk do Joel (18%), e a propaganda Creu, da Dell, que somou 59% e conquistou a categoria vídeos virais.

Para fechar as categorias relacionadas a mídias sociais, o aplicativo Onde Estou, da Apontador-Maplink, ganhou a categoria aplicativo para celular, com 47%. “Estamos trabalhando muito na área de mobile e agora, quase dez anos depois estamos recebendo o primeiro prêmio. Vamos focar ainda mais na área de mobilidade”, afirma Rafael Siqueira, CTO do Apontador-Maplink.

“Foi muito importante para a gente ganhar esse prêmio porque o Apontador-Maplink vem trabalhando muito para desenvolver aplicativos e ser reconhecido pela INFO é a melhor coisa que poderia acontecer principalmente para mostrarmos que estamos no caminho certo”, diz Frederico Hohagen, sócio-fundador da Maplink. Hohagen destaca que a empresa está trabalhando em novos aplicativos para celular e promete novidades para 2010.

O prêmio INFO é resultado da votação dos leitores da revista, que votaram em papel e pela internet nos 123 indicados em 41 categorias indicados pelos jornalistas e técnicos da INFO.

(Postado em 15/07/10. Retirado do site http://info.abril.com.br/noticias/internet/twitter-fatura-premio-info-em-redes-sociais-01122009-50.shl )

10. Opinião: Estar no mundo virtual faz esquecer que ele está inserido no real

Pessoas se expõem nas redes sociais sem medir consequências. Uso impulsivo da web complica vida de adolescentes.

A ampliação do conhecimento pelas pessoas se deve muito ao advento da internet. Quem tem acesso a ela, esteja onde estiver, pode saber de coisas que, de outra forma, seria quase impossível. Inclusive, entra-se em contato com a produção científica, que antes era restrita às bibliotecas universitárias.

Mas não é só isso: compras são feitas, operações bancárias realizadas, acompanhamento da vida escolar dos filhos, e tantas outras coisas… Inclusive, as pessoas se relacionam com outras através da internet, fazendo coisas que para elas seria inconcebível de outra forma. Afinal, não têm que encará-las frente a frente.

Tanto é assim que, nas redes sociais, as pessoas chegam a fazer um diário sobre suas vidas. Contam tudo. Algo que, em outros tempos, se restringia a um diário, que era apenas lido por quem o escrevia, tendo segredos ou não. Era um espaço privado.

Hoje, por pouco que possam dizer sobre si, estão se expondo a milhares de pessoas em todo o mundo. Sem ter bem clara a exposição que terão. Com a diferença de que, queimado o diário, ele deixa de existir. Na internet isso não acontece – não basta deletar uma informação, foto ou vídeo, eles podem ter sido copiados por alguém, que vai usá-los como bem entender. Não se tem o controle das coisas.

Isso tem complicado a vida de alguns adolescentes (não só deles), como a menina de 14 anos que teve sua intimidade exposta em imagens num site de relacionamento. Ou o rapaz de 19 anos que deu detalhes de sua vida pessoal, ajudando pessoas de má-fé a planejarem seu sequestro.

Estar no mundo virtual faz esquecer que ele está inserido no real. Com uma ideia de que se tem controle sobre ele, que se está no comando, bastando dar um clique. Essa é uma das características observadas nos adolescentes, que sentem poderem e saberem tudo, como se sempre estivessem no controle das coisas e de suas vidas. Como a ideia de que usar droga depende só da vontade deles, achando que podem parar de usá-las na hora que bem entenderem.

Assim, acabam agindo de maneira impulsiva, não considerando todos os fatores envolvidos numa ação. O que fica difícil balizar quando se lida com a internet, pois justamente não é possível fiscalizar para onde vão as informações lá colocadas e o que vão fazer com elas. Perde-se o controle.

Limite

Não só eles estão perdendo a noção de controle, seus pais os acompanham nisso. Os valores passados a eles em prol de uma liberdade que foi conquistada a duras penas tem se confundido com falta de limites. Para muitos liberdade sexual e libertinagem é a mesma coisa. Não é.

Exercer livremente algo não exime ninguém de responsabilidade. Principalmente em relação a si próprio. Que preço paga alguém que é visto nu ou em carícias íntimas com outra pessoa por milhares? Para alguns, fica difícil até sair de casa. Mesmo que se diga que ninguém tem nada a ver com isso.

Além de tudo isso, há um outro fator – a necessidade de exposição e de serem vistas que as pessoas têm sentido. Já geramos nossos filhos mostrando-os ao mundo, com os ultrassons avançados. Filmamos seu nascimento e mostramos a todos, inclusive a eles, que se assustam com as imagens. Há pais que já procuram uma agência de modelos quando ainda são bebês. E vão cada vez mais valorizando isso, esquecendo-se do valor da privacidade.

Não precisamos voltar aos valores da era vitoriana ou à época em que não se podia dizer nada sobre si, com o risco de ser mal interpretado pela ditadura. Porém, temos que preservar o que mais de valioso temos – nós mesmos.

(Ana Cássia Maturano é psicóloga e psicopedagoga)

(Postado em 22/07/10. Retirado do site  http://g1.globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2010/08/opiniao-estar-no-mundo-virtual-faz-esquecer-que-ele-esta-inserido-no-real.html )

 

11. Idosos usam redes sociais na internet para escapar da solidão

Sites ajudam a ‘renovar’ contatos e estimular amizades. Internautas também usam serviços para publicar fotos e memórias.

Como muitas pessoas mais velhas, Paula Rice, moradora do estado de Kentucky (EUA), ficou cada vez mais isolada nos últimos anos. Seus quatro filhos crescidos moram em outros lugares, seus dois casamentos acabaram em divórcio e seus amigos estão espalhados. Na maioria dos dias, ela não vê ninguém.

No entanto, Rice, 73 anos, está longe de ser solitária. Confinada em casa depois de sofrer um ataque cardíaco, há dois anos, ela começou a visitar redes sociais virtuais, como o Eons.com, uma comunidade on-line para baby boomers que estão envelhecendo, e o PoliceLink.com (ela é ex-despachante policial). Agora, Rice passa até 14 horas por dia em conversas on-line.

“Eu estava morrendo de tédio”, ela disse. “O Eons me deu uma razão para continuar vivendo”.

Não é novidade que cada vez mais pessoas da geração de Rice estão entrando em redes virtuais, como o Eons, o Facebook e o MySpace. De acordo com a comScore, empresa de medição de mídia, o número de internautas idosos que visitaram redes sociais cresceu quase duas vezes mais rápido que o índice de uso da internet neste grupo, no ano passado. Pesquisadores que focam no envelhecimento estão estudando o fenômeno, a fim de verificar se as redes sociais podem oferecer alguns dos benefícios de um grupo de amigos, ao mesmo tempo em que são algo mais fácil de manter.

‘Recuperando’ amigos

“Um dos maiores desafios, ou perdas, que enfrentamos como adultos mais velhos, honestamente, não envolve nossa saúde, mas como nossa rede social está nos deteriorando. Isso acontece pois nossos amigos adoecem, nossos cônjuges morrem, os amigos morrem, ou nos mudamos”, disse Joseph F. Coughlin, diretor do AgeLab, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

“O novo futuro da terceira idade envolve permanecer na sociedade, no ambiente de trabalho e estar bem conectado”, acrescentou. “A tecnologia vai ser uma parte muito importante nisso, pois a nova realidade é, cada vez mais, uma realidade virtual. Ela oferece uma forma de fazer novas conexões, novos amigos e novos propósitos”.

Cerca de um terço das pessoas com 75 anos de idade ou mais moram sozinhas, segundo um estudo da AARP, publicado em 2009. Em resposta ao crescente número de americanos idosos, o Instituto Nacional para o Envelhecimento está concedendo pelo menos US$ 10 milhões em financiamentos para pesquisadores que examinem a neurociência social e seus efeitos sobre o envelhecimento.

Redes on-line podem representar para os mais velhos “um lugar onde eles se sintam fortes, pois podem realizar essas conexões e conversar com as pessoas, sem ter que usar um amigo ou membro da família para mais uma coisa”, disse Antonina Bambina, socióloga da University of Southern Indiana e autora do livro “Online Social Support” (Cambria, 2007).

 

(Postado em 29/07/10. Retirado do site http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1187486-6174,00-IDOSOS+USAM+REDES+SOCIAIS+NA+INTERNET+PARA+ESCAPAR+DA+SOLIDAO.html )

12. Redes sociais ajudam a combater as desigualdades

Rio de Janeiro, 19 mai (EFE).- As redes sociais da internet e outras plataformas virtuais ajudam a combater as desigualdades, assinalaram hoje políticos e especialistas que participam do terceiro Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade, no Rio de Janeiro.

O britânico Lucien Tarnowski, que obteve o título de Jovem Líder Global no Fórum Econômico de Davos, ressaltou a importância dos “meios de comunicação sociais” e as oportunidades que estes oferecem.

“Os blogs e plataformas virtuais como Twitter e Orkut são formas de comunicação muito potentes”, assegurou Tarnowski, que acrescentou que este tipo de iniciativa facilita o acesso à informação e à educação.

“Nunca antes os jovens tinham tido voz em assuntos tão importantes”, afirmou o criador da BraveNewTalent, uma plataforma virtual que conecta jovens com empregadores através de uma rede social que facilita a comunicação “em múltiplas direções e com muitas pessoas”.

Tarnowski defendeu a capacidade dos meios sociais na hora de introduzir uma “mudança fundamental” na estrutura pouco sustentável do mundo atual e, assim, romper a brecha que divide países desenvolvidos e em vias de desenvolvimento.

“Realmente acho que essa geração de jovens é uma geração de líderes capazes de mudar as coisas”, acrescentou.

O gerente de comunicação da Petrobras, Gilberto Puig, também reconheceu a importância das novas plataformas de comunicação nas empresas.

“A falta de comunicação é a origem da falta de sustentabilidade”, assegurou Puig, que acrescentou que sociedades e empresas “devem migrar para as redes sociais porque a comunicação bilateral tradicional já não serve”.

Muitas empresas grandes seguiram o exemplo de seus clientes, sobretudo dos mais jovens, e criaram seus próprios perfis em plataformas sociais na internet para se conectar com eles.

O fórum, que termina amanhã, também abordou o aspecto socialmente crítico da comunicação e a necessidade de democratizar os meios.

Por sua vez, a indígena guatemalteca Rigoberta Menchú, Prêmio Nobel da Paz, criticou a perda da “dimensão social” nas atividades dos Governos, empresas e meios de comunicação.

Nesse sentido, a ativista pelos direitos humanos advertiu sobre a necessidade de reagir ante os efeitos da crise global e pediu uma reflexão, individual e coletiva, sobre a situação.

“Há um excesso de materialismo que devemos combater, e os meios de comunicação podem fazer muitíssimo”, assegurou Menchú, que defendeu uma comunicação “ao serviço do espírito humano, da sociedade e das pessoas”.

“A diferença não vai seguir sendo os espectadores, mas os construtores: é preciso se arriscar!”, concluiu. EFE

(Postado em 04/08/10. Retirado do site http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2010/05/redes-sociais-ajudam-a-combater-as-desigualdades.html)

13- Dez razões para adotar redes sociais nas empresas
Veja o texto que mostra como as organizações podem adotar a utilização das redes sociais internamente.

Muitas empresas tem receio de utilizar redes sociais dentro das empresas alegando que haverá queda na produtividade de seus funcionários. Isso prova, como sempre, que as pessoas preocupam-se mais em identificar os problemas do que em enxergar as oportunidades presentes em certas decisões. Esse tipo de pensamento focado apenas no problema faz com que as empresas substimem a capacidade criativa, de mobilização e criatividade coletiva das pessoas dentro das empresas.

A realidade das empresas mudou. A competição é muito maior do que no século passado e isso faz com que a inovação seja a principalmente competência a ser desenvolvida pelas empresas. Inovação que deve vir de todos os lugares da empresa. A emrpresa deve buscar conhecimento onde quer que ele esteja, seja dentro ou fora da empresa. Alguns dizem que ela deve ser “chuveiro” (de cima para baixo), outros dizem que deve ser “bidê” (de baixo para cima), mas o importante é que ela seja do tipo “hidromassagem” (de todos os lados).

Mauro Segura, consultor da IBM, revelou o resultado de uma pesquisa que a própria IBM faz regularmente, chamada “CEO study – The enterprise of the future”. O estudo apontou 5 tendências:

- As empresas serão ávidas por mudança;

- Inovação de fora para dentro;

- Empresas globalmente integradas;

- Disruptivas por natureza;

- Pensam na sustentabilidade e no longo prazo;

Diante desse cenário, as empresas devem basear suas ações no desenvolvimento do seu capital intelectual a fim de criar uma cultura de inovação em que todos sintam que são livres para expor suas idéias. Para isso, é preciso dar voz as conversas existentes dentro das organizações. Nesse sentido, as redes sociais são ótimas ferramentas para criar esse ambiente de conversas dentro das empresas, pois ela aproxima as pessoas e facilita a conexão entre pessoas com interesses comuns e que poderiam compartilhar ideias.

Nesse sentido, Mauro apresenta as 10 razões para se adotar redes sociais dentro das empresas:

- Acesso rápido e fácil ao conhecimento:  com as ferramentas atualmente existentes, é muito fácil criar um ambiente onde as pessoas possam discutir, apresentar suas idéias e registra-las para outras pessoas consultarem.

- O ser humano adora redes sociais:  especialmente os brasileiros, uma vez que mais de 80% dos brasileiros, que se conectam a Internet, participam de algum tipo de rede social. Brasileiro gosta de conversar;

- A inovação aparece:  o ambiente das redes sociais facilita o surgimento da diversidade de perspectivas e opiniões, condição essencial para surgimento da inovação;

- Quebra da barreira geográfica:  você pode conversar com qualquer pessoa independente da localização geográfica em que ela esteja;

- Quebra da barreira hierarquia:  talvez seja esse o maior temor de quem está no comando das empresas. Não existem escadinhas que deve ser escaladas para que as informações e as opiniões cheguem ao alto escalão da empresa. Isso é irreversível e incontrolável;

- Comunicação direta sem intermediários:  comunicação sem filtros. Não existe mais aquela de que “Quem conta um conto aumenta um ponto”;

- Identidade pessoal:  nas redes sociais, você tem a oportunidade de mostrar quem você é. Você pode expressar suas opiniões e suas crenças;

- Referências:  é uma oportunidade de criar um grande conjunto de referências para posteriores consultas;

- Política de portas abertas:  deixe a comunicação fluir livremente e você se surpreenderá com a capacidade de criar coletivamente de seus funcionários;

- Tecnologia simples e fácil:  não é preciso ser um expert em tecnologia ou em construção de sites para você montar sua rede social. Existem ferramentas que auxiliam qualquer pessoa na criação de um blog, por exemplo.

Adotar redes sociais dentro das empresas potencializa a geração de inteligência coletiva dentro das empresas, além de descobrir pessoas talentosas, que ficam escondidas na imensidão dos cargos e departamentos das empresas, e facilita a identificação dos agentes de mudança dentro da empresa e que podem influenciar outras pessoas a se tornarem inovadoras. Aliás, Mauro apresentou o resultado de um estudo da universidade de Melbourne de que funcionários que utilizam redes sociais são 9% mais produtivos do que aqueles que não usam.

Com certeza, no século XXI o valor está no intangível.

(Postado em 12/08/10. Retirado do site http://br.hsmglobal.com/notas/54285-10-razoes-adotar-redes-sociais-nas-empresas)

14- Pais subestimam os filhos nas redes sociais

Uma pesquisa da Common Sense Media apontou que os pais subestimam o uso que seus filhos fazem das redes sociais.

Enquanto 22% dos adolescentes disseram que entram nos sites mais de 10 vezes por dia, apenas 4% dos pais confirmaram tamanho uso dos filhos. Quando o uso dos filhos é menor (51% disseram que entram mais de uma vez por dia), o número de ciência dos pais não fica tão discrepante (23% dos pais disseram que os filhos usam mais de uma vez por dia).

A conclusão que podemos tirar da pesquisa é que há diferenças significativas (e naturais) no uso que adolescentes e adultos fazem de redes sociais. Se os pais dessem tanta importância às redes quanto os filhos, provavelmente diriam que entram mais vezes em sites como o Facebook. Por outro lado, se entrassem tanto, quem colocaria comida em casa?

Mais que isso, ao olhar friamente os dados percebemos que os pais talvez não tenham percebido que as redes sociais mudaram a forma como seus filhos se relacionam com amigos, colegas de escola e desconhecidos na internet. Elas também mudaram a velocidade de comunicação e compartilhamento de informações e conhecimento entre as pessoas.

(Postado em 19/08/10. Retirado do site  http://www.capitaldojerico.com/noticias/tecnologia/2148/pais-subestimam-os-filhos-nas-redes-sociais.html).

15. Redes sociais prejudicam as notas escolares?

Há algum tempo um Estudo da Universidade Estadual de Ohio apontou que a rede social Facebook era a grande culpada pelas notas baixas dos estudantes norte-americanos. De acordo com o estudo, os jovens que passavam tempo navegando pela rede social tinham menos disposição para estudar. No entanto, um novo estudo surgiu afirmando que a rede social não influencia nas notas escolares.

A conclusão foi de pesquisadores da Universidade Northwestern, com um estudo chamado “Preceptores e consequências de diferentes práticas em sites de redes sociais”. De acordo com eles, o uso sem medidas de redes sociais como Facebook e MySpace por estudantes não afeta as notas escolares. Outros pontos como etnia, sexo e nível educacional dos pais são mais decisivos nas notas.

Segundo o estudo, garotas tendem a ter notas melhores que garotos durante a idade escolar. Além disso, alunos cujos pais possuem diploma universitário apresentam melhor rendimento na escola.

Os pesquisadores também incluíram no estudo dados sobre o uso da internet em geral comparado ao uso de redes sociais, apontando que não há diferenças significativas no rendimento escolar.

Ainda de acordo com o estudo, o uso da internet e redes sociais melhoram as habilidades dos estudantes e até auxilia no desempenho escolar. Além disso, os pesquisadores apontam que os estudantes são perfeitamente capazes de diferenciar o momento escolar do tempo livre dedicado à internet.

(Postado em 27/08/10. Retirado do site: http://www.plugmasters.com.br/plugfeed/post/40784/redes-sociais-prejudicam-as-notas-escolares-parece-que-nao).


16. Fazer parte de redes sociais virtuais traz benefícios à saúde

Devido à crescente popularidade de redes sociais virtuais, como o Facebook ou o Twitter, os especialistas estão cada vez mais interessados em determinar a magnitude da influência com poder crescente que nossas conexões, sejam elas online ou offline, têm em nossas vidas.

Apesar das previsões pessimistas de que passar muito tempo online atrapalharia relações na vida real, alguns pesquisadores afirmam o contrário. Alguns estudos chegam a apontar, inclusive, para benefícios psicológicos e para a saúde de quem adiciona amigos e tem seus pedidos aceitos dentro das redes sociais. Segundo pesquisas, o sentimento de fazer parte de um grupo maior ajuda na recuperação de um infarto, por exemplo, além de proporcionar um bem-estar em geral.

“Em muitos casos, os seres humanos agem como um bando de pássaros ou um cardume de peixes”, disse Nicholas Christakis, professor da Universidade de Harvard.

Entretanto, os críticos dizem que ainda é cedo demais para analisar os possíveis efeitos que as redes sociais virtuais podem ter em um prazo mais longo, desde um aumento da obesidade à perda da privacidade.

(Postado em 02/09/10. Retirado do site: http://opiniaoenoticia.com.br/vida/comportamento/fazer-parte-de-redes-sociais-virtuais-traz-beneficios-a-saude/).

17.Redes sociais virtuais e seus avanços no mundo real

A tecnologia tem dado grandes e valiosos sinais de que veio para mudar a vida do ser humano, principalmente quando o assunto é informática e suas ramificações, a informatização do mundo representa uma grande virada de século e também uma grande virada de vida para aqueles que de forma direta ou indireta fazem parte da mesma. O computador hoje rege tudo o que “somos”, seja o nosso contato direto ou por tabela.

Grande prova dessa Revolução Industrial da informática são os sites de relacionamentos que cada vez mais aquecem a forma de se relacionar dos internautas como um todo. As redes sociais virtuais atualmente mostram seus avanços no mundo real de maneira explícita e demonstram o quanto um grupo de pessoas pode ser importante e influenciar o rumo de alguns fatos fora do computador.

Redes como o Twitter, Facebook, Orkut e blogs mostram força quando o assunto é a mobilização geral de todos em pról de um único assunto. Muitas vezes através do Orkut podemos conhecer um novo amor, através do Facebook podemos fazer novas e valiosas amizades, através do MSN podemos matar saudades e acabar relacionamentos e agora com a mais nova febre virtual do mundo, o Twitter podemos fazer tudo isso ao mesmo tempo e mais do que isso, realmente podemos fazer revoluções como, por exemplo, o Irã que utiliza do serviço de microblogs para se comunicar com o mundo exterior uma vez que estão vivendo uma crise política que se transformou em guerra, ou o presidente dos Estados Unidos que usa seu perfil para ficar mais próximo de seus eleitores, ou a Demi Moore que impediu um suicídio através de suas postagens… São todas essas, provas e mais provas de que sim as redes sociais virtuais avançaram como nunca no mundo real e este processo é humanamente irreversível.

(Postado em 10/09/10. Retirado do site http://www.guiabrasilblog.com/redes-sociais-virtuais-e-seus-avancos-no-mundo-real/).


18. São Paulo, segunda-feira, 13 de setembro de 2010, Jornal Folha de São Paulo, Caderno Folhateen pág. 5

( Sobre uso de redes sociais e desempenho dos alunos nas escolas )

Facebook é o vilão do boletim, diz estudo

NA última semana, foi publicado um estudo feito na Holanda que sugere uma relação entre o uso do Facebook e um pior desempenho dos alunos na escola. Apesar de ser uma pesquisa inicial, feita com cerca de 200 jovens, ela traz considerações interessantes.
Segundo o estudo, jovens que ficam conectados a redes sociais têm notas 20% piores do que aqueles que não permanecem conectados. Qual seria a causa?
Quem usa internet sabe que é comum ter várias janelas e canais de comunicação abertos ao mesmo tempo. Assim, enquanto faz pesquisas escolares e estuda, o jovem também “conversa” com amigos, posta mensagens e fotos, checa o que seus amigos escrevem, baixa música e vê filmes.
Mal comparando, é como se você abrisse um livro para estudar para uma prova, mas também estivesse falando ao telefone, lendo uma revista e assistindo à televisão. É lógico que a atenção e a concentração devem ficar prejudicadas, e a qualidade do estudo cai.
Muito já se disse sobre a capacidade dessa geração de ter uma atenção flutuante, ou seja, poder fazer várias coisas ao mesmo tempo, sem prejuízo da qualidade com que executa as atividades. Vamos combinar que isso é difícil de acreditar, não é? Há um limite para isso!
Além do que, quem passa horas conectado às redes sociais acaba tendo menos tempo para estudar. Aliás, esse foi outro resultado da pesquisa. Talvez tudo isso aponte para uma constatação óbvia: para focar sua sua atenção na hora de estudar talvez seja uma boa ideia ficar off-line das redes sociais. Da mesma maneira que é bom desligar a TV na hora de ler um livro, certo?
Um grupo de pesquisa está fechando estudo de uso de internet com mais de 10 mil jovens de todo o Brasil.

(Postado em 13/09/10).

 

19. Vídeo sobre a prévia

 

Esse vídeo mostra a prévia da apresentação do trabalho anual  sobre Redes Sociais Virtuais da turma 71D,  feito no dia 02 de setembro . Nessa apresentação não mostramos todos os conteúdos inclusos no trabalho, apenas uma parte deles.

(Postado em 16/09/2010.)

 

20. 

Quem nunca aceitou o pedido de amizade de um desconhecido?


Costumo aceitar novos pedidos de amizade, nada como aumentar a rede de amigos, ora ou outra puxo papo com aqueles que eu não sei quem são, mas que temos amigos comuns. Mas coloco poucas informações e fotos no meu perfil.

Pensando neste tipo de comportamento, uma empresa de segurança norte-americana fez um estudo sobre segurança na web e afirmou que 93,6% dos usuários de redes sociais aceitam pedido de amizade de perfil feminino desconhecido.

Duas mil pessoas, mil de cada sexo, foram testadas em todo o mundo. O perfil falso de uma mulher loira de 21 anos, bonita, simpática e ingênua enviou solicitação de amizade para todos eles e teve aceitação de 1.872.

Outra informação do estudo é que 86% dos usuários que adicionaram o perfil da Mocinha (rs) são da área de tecnologia da informação, 31% deles trabalham em segurança de TI (vai entender!). Questionados sobre o motivo de aceitarem a nova amiga: ela tem uma cara adorável (53%), um rosto conhecido (17%), trabalha na mesma área (24%), achou o perfil interessante (6%).

Não satisfeitos, os pesquisadores ainda usaram o serviço de mensagem instantânea com parte dos novos amigos da Loira. 73% destes não só papearam como revelaram informações importantes (telefones, endereço, nome completo, nome do bichano de estimação,…). O tempo médio de conversa foi de 2h.

O levantamento é bem preocupante: usuários das redes sociais aceitam perfis falsos só por conta de uma fotinho bacana e se arriscam revelando dados sensíveis que podem ser utilizados em golpes digitais.

QUEM NUNCA ACEITOU O PEDIDO DE AMIZADE DE UM DESCONHECIDO?[silêncio]Costumo aceitar novos pedidos de amizade, nada como aumentar a rede de amigos, ora ou outra puxo papo com aqueles que eu não sei quem são, mas que temos amigos comuns. Mas coloco poucas informações e fotos no meu perfil.
Pensando neste tipo de comportamento, uma empresa de segurança norte-americana fez um estudo sobre segurança na web e afirmou que 93,6% dos usuários de redes sociais aceitam pedido de amizade de perfil feminino desconhecido.
Duas mil pessoas, mil de cada sexo, foram testadas em todo o mundo. O perfil falso de uma mulher loira de 21 anos, bonita, simpática e ingênua enviou solicitação de amizade para todos eles e teve aceitação de 1.872.
Outra informação do estudo é que 86% dos usuários que adicionaram o perfil da Mocinha (rs) são da área de tecnologia da informação, 31% deles trabalham em segurança de TI (vai entender!). Questionados sobre o motivo de aceitarem a nova amiga: ela tem uma cara adorável (53%), um rosto conhecido (17%), trabalha na mesma área (24%), achou o perfil interessante (6%).
Não satisfeitos, os pesquisadores ainda usaram o serviço de mensagem instantânea com parte dos novos amigos da Loira. 73% destes não só papearam como revelaram informações importantes (telefones, endereço, nome completo, nome do bichano de estimação,…). O tempo médio de conversa foi de 2h.
O levantamento é bem preocupante: usuários das redes sociais aceitam perfis falsos só por conta de uma fotinho bacana e se arriscam revelando dados sensíveis que podem ser utilizados em golpes digitais.

OBS.: Recebemos essa informação pelo Twitter de uma integrante do grupo e achamos interessante colocá-la.

(Postado dia 21/09/2010.  Retirado do site http://avidanaotemduble.blogspot.com/2010/09/quem-nunca-aceitou-o-pedido-de-amizade.html).

 

21. Vídeos da parte final do trabalho

Esses são os vídeos da apresentação final do trabalho anual.

 

22. Trabalho escrito

 

 

GRUPO:

Bianca Benetti Oliveira Nº 05

Débora Ribeiro Lopes Nº07

Fernanda Varasquin Pinheiro Nº 13

Guilherme Fernandes Sanches Nº 18

Jéssica Santana Consalter Nº 20

Maryane Zanoni Jordão Nº 21

 

TURMA: 71D

 

1. Introdução

1.1 Tema:

Redes Sociais Virtuais, que é um assunto que muitas pessoas devem se informar.

 

1.2 Problema:

Comunicação e troca de informações fáceis e viáveis, porém com a exposição da vida pessoal do usuário, podendo assim prejudicá-lo com a falta de privacidade.

 

1.3 Justificativas:

Por ser um tema abrangente e atual, e que a maior parte das pessoas tem acesso, acreditamos ter grande aceitabilidade e interesse do público.

 

1.4 Fundamentação teórica:

 

1.4.1 Orkut

É uma rede social filiada ao Google, criada em 24 de Janeiro de 2004 com o objetivo de ajudar seus membros a conhecer pessoas e manter relacionamentos. Seu nome é originado no projetista chefe, Orkut Büyükkokten, engenheiro turco do Google.

O alvo inicial do orkut era os Estados Unidos, mas a maioria dos usuários são do Brasil e da Índia. No Brasil é a rede social com maior participação de brasileiros, com mais de 23 milhões de usuários em janeiro de 2008. Na Índia é o segundo mais visitado.

A sede do orkut era na Califórnia até agosto de 2008, quando a Google anunciou que o orkut será operado no Brasil pela Google Brasil devido a grande quantidade de usuários brasileiros e o crescimento dos assuntos legais.

Apesar de Orkut ser um nome próprio, na programação visual do site (títulos e logos) a palavra está em minúscula (orkut).

2004

• 24 de Janeiro: Foi criado o Orkut por Orkut Büyükkökten.

2005

• 5 de Abril: O Orkut ganha versão em português.

2008

• 7 de agosto: O Google anuncia que o Google Brasil passa a ter o controle mundial do Orkut, dividindo a responsabilidade com os indianos, mas o Google Brasil vai ter a palavra final em qualquer mudança ou melhoramento no site, e também que segundo o Ibope o os Brasileiros já chegam a 40 milhões no orkut.

• 20 de dezembro: O Orkut implementa sugestões de amigos na página inicial, onde amigos de amigos seus poderão ser seus também, por fim adicionando-os à sua lista.

 

1.4.2 Facebook

É um website de relacionamento social lançado em 4 de fevereiro de 2004. Foi fundado por Mark Zuckerberg, um ex-estudante de Harvard. Inicialmente, a adesão ao Facebook era restrita apenas aos estudantes da Universidade Harvard. Ela foi expandida ao Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), à Universidade de Boston, ao Boston College e a todas as escolas Ivy League dentro de dois meses. Muitas universidades individuais foram adicionadas no ano seguinte. Eventualmente, pessoas com endereços de e-mail de universidades (por exemplo, .edu, .ac.uk) ao redor do mundo eram eleitas para ingressar na rede. Em 27 de fevereiro de 2006, o Facebook passou a aceitar também estudantes secundaristas e algumas empresas. Desde 11 de setembro de 2006, apenas usuários com 13 anos de idade ou mais podem ingressar. Os usuários podem se juntar em uma ou mais redes, como um colégio, um local de trabalho ou uma região geográfica.

O website possui mais de 120 milhões de usuários ativos, a posição do Facebook no ranking de tráfego de visitantes do Alexa, subiu do 60º lugar para 7º lugar. É ainda o maior site de fotografias dos Estados Unidos, com mais de 60 milhões de novas fotos publicadas por semana, ultrapassando inclusive sites voltados à fotografia, como o Flickr.

O website é gratuito para os usuários e gera receita proveniente de publicidade, incluindo banners e grupos patrocinados (cujas cotas seriam de mais de 1,5 milhão de dólares por semana em abril de 2006, segundo rumores). Usuários criam perfis que contêm fotos e listas de interesses pessoais, trocando mensagens privadas e públicas entre si e participantes de grupos de amigos. A visualização de dados detalhados dos membros é restrita para membros de uma mesma rede ou amigos confirmados. De acordo com o TechCrunch, 85% dos membros dos colégios suportados têm um perfil cadastrado no website e, dentre eles, 60% faz login diariamente no sistema, 85% o faz pelo menos uma vez por semana e 93% o faz pelo menos uma vez por mês. De acordo com Chris Hughes, porta-voz do Facebook, as pessoas gastam em média 19 minutos por dia no Facebook. Em um estudo conduzido em 2006 pela Student Monitor, uma empresa especializada em pesquisas de mercado relacionadas a estudantes universitários de Nova Jérsei, Facebook foi o segundo nome mais “in” entre os estudantes, empatado com cerveja e sexo e perdendo apenas para iPod.

A decisão do Facebook de remover algumas fotos de amamentação enraiveceu alguns usuários, entre os quais a estadounidense Kelli Roman, mãe que teve uma foto que a mostrava alimentando a filha removida pelo Facebook.

Roman é uma das administradoras de uma petição online intitulada “ei, Facebook, amamentação materna não é obscenidade”, que ganhou força na semana passada depois que as manifestantes organizaram uma “amamentação de protesto” no Facebook e realizaram uma pequena manifestação diante da sede da empresa, em Palo Alto, Califórnia.

A petição já obteve mais de 80 mil assinaturas e mais de 10 mil comentários, e   redespertou um velho debate sobre os prós e contras da amamentação em locais públicos.

 

1.4.3 Twitter

É uma rede social e servidor para microblogging que permite aos usuários que enviem e recebam atualizações pessoais de outros contatos (em textos de até 140 caracteres, conhecidos como “tweets”), através do website do serviço, por SMS e por softwares específicos de gerenciamento.

As atualizações são exibidas no perfil de um usuário em tempo real e também enviadas a outros usuários seguidores que tenham assinado para recebê-las. As atualizações de um perfil ocorrem através por meio de site do Twitter, por RSS, por SMS ou programa especializado para gerenciamento. O serviço é gratuito pela internet, entretanto, usando o recurso de SMS pode ocorrer a cobrança pela operadora telefônica.

Desde sua criação em 2006 por Jack Dorsey, o Twitter ganhou extensa notabilidade e popularidade por todo mundo. Algumas vezes é descrito como o “SMS da Internet”.

A estimativa do número de usuários é baseada em pesquisas independentes já que a empresa não informa oficialmente número de contas ativas. Em novembro de 2008, Jeremiah Owyang estimou que o Twitter possuia entre 4 a 5 milhões de usuários. Já em maio de 2009, outro estudo analisou mais de 11 milhões e meio de contas de usuários.

Em Fevereiro de 2009 o blog “Compete.com” elegeu o Twitter em terceiro lugar como rede social mais usada (Facebook em primeiro lugar, seguido do MySpace).

O Twitter também tem sido constantemente utilizado por grandes empresas para a divulgação de suas marcas, através de constantes atualizações, sempre ligando o “consumidor” a uma página onde possa encontrar mais informações sobre o serviço ou produto oferecido. Além disso, o Twitter tem se mostrado um ótimo instrumento para o fortalecimento das marcas no ambiente virtual, pois agrega seguidores que recebem as atualizações enviadas pelas empresas, porém ainda é uma ferramenta que deve ser melhor explorada para esse fim.

O Google e a Microsoft entraram em um acordo com o Twitter para que os tweets postados diariamente pelos milhões de usuários da rede social, apareçam nos resultados dos buscadores, tanto do Google, quanto da Microsoft, no caso o Bing. O Google está pagando US$ 15 milhões e a Microsoft US$ 10 milhões e serão os primeiros a fazer experiências com os dados coletados. O Yahoo também pode vir a fazer parte desse acordo.

Críticas ao Twitter

Algumas empresas mundiais estão proibindo o uso do Twitter, pois a limitação de 140 caracteres é supostamente prejudicial para um jornalismo e qualidade. Alem disso, o escritor, roteirista, jornalista, dramaturgo e vencedor de um prêmio Nobel de Literatura, José Saramago fez uma dura crítica ao Twitter dizendo: “Os tais 140 caracteres refletem algo que já conhecíamos: a tendência para o monossílabo como forma de comunicação. De degrau em degrau, vamos descendo até o grunhido. Entretanto, o propósito do Twitter não é literário, mas informativo.

 

1.4.4  Myspace

É um serviço de rede social que utiliza a Internet para comunicação online através de uma rede interativa de fotos, blogs e perfis de usuário. Foi criada em 2003. É a maior rede social dos Estados Unidos e a 2º maior do mundo com mais de 110 milhões de usuários. Inclui um sistema interno de e-mail, fóruns e grupos. MySpace é um site muito ativo, com novos membros entrando no serviço diariamente e novos recursos adicionados com freqüência. A crescente popularidade do site e sua habilidade de hospedar MP3s fez com que muitas bandas e músicos se registrassem, algumas vezes fazendo de suas páginas de perfil seu site oficial.

Em 18 de julho de 2005, a News Corporation (dona da FOX, DirecTV etc.), conglomerado de mídia de Rupert Murdoch, anunciou que iria comprar a Intermix Media, a empresa dona do MySpace, por US$ 580 milhões.

Boletins

Boletins são recados que são postados em um “quadro de boletins” para qualquer amigo do usuário de MySpace ver. São apagados depois de dez dias. Os boletins podem ser usados para contatos entre todos os amigos da lista sem precisar mandar mensagens individualmente.

Grupos

O MySpace tem uma característica que permite que um grupo de usuários compartilhe uma mesma página e quadro de mensagens. Os grupos podem ser criados por qualquer um, e o moderador do grupo pode escolher se qualquer um pode ser aprovado diretamente, ou ser aprovado mediante requisitos.

MySpaceIM

É um mensageiro instantâneo que usa uma conta do MySpace como um nome na tela. O usuário entra nele usando o mesmo e-mail associado com sua conta. Ao contrário das outras partes do MySpace, MySpaceIM é independente do Microsoft Windows. Usuários podem usar MySpaceIM como notificação instantânea de novas mensagens, solicitações de amigos, e comentários.

MySpaceTV

É um serviço semelhante ao site de compartilhamento de vídeos YouTube. Foi criado em 2007 e está em fase de desenvolvimento (beta).

Aplicações

Em 2008, MySpace introduziu um API onde os usuários podem criar aplicativos para outros usuários para postar em seus perfis. Os aplicativos são parecidos com os aplicativos do Facebook. Em Maio de 2008, MySpace adicionou algumas opções de segurança considerando a interação com fotos e outras mídias.

MySpace Mobile

Não há uma grande variedade de meios que os usuários podem acessar o conteúdo de MySpace em seu telefone celular.

MySpace News

É um serviço que permite que você mande feeds RSS e receba notícias. Também permite aos usuários ranquear cada matéria por votação. Quanto mais uma matéria recebe votos, mais alta a matéria irá para o topo da página.

MySpace Classifieds

É a secção de classificados do MySpace, que foi criado em Agosto de 2006 e cresceu 33 por cento em um ano desde sua origem.

MySpace Karaoke

Lançado em 29 de abril de 2008, ksolo.myspace.com é a combinação de MySpace e kSolo, que permite ao usuário carregar gravações de áudio deles mesmos cantando para suas páginas de perfil. Seus amigos podem avaliar as performances.

MySpace Polls

MySpace Polls é um serviço no MySpace que está de volta em 2008 para que os usuários possam postar enquetes em seus perfis e compartilhar com outros usuários.

 

1.4.5 Redes Sociais – Vantagens e Desvantagens para as Empresas

Vantagens:

Estar onde os clientes estão. É incontornável, os sites de redes sociais contam com a presença regular de milhões de utilizadores. Desde as novas gerações aos mais idosos, muitas pessoas passam horas da sua vida em sites como Facebook e Twitter, a ver vídeos no Youtube, a partilhar fotografias no Flickr.

Dá uma imagem actual da empresa. As redes sociais fazem parte da vida das pessoas, são recentes e muito comentadas em todo o lado. Estão associadas a “Novas Tecnologias”, modernidade, futuro, interactividade. São valores que podem transmitir uma imagem positiva de qualquer empresa, se está nas redes sociais é dinâmica e actual.

Canal aberto com os clientes. Uma presença nas redes sociais com possibilidade de receber comentários e opiniões é um canal de interacção com os clientes, potenciais clientes e a sociedade em geral, que funciona 24h por dia, sete dias por semana.

Contribui para um bom posicionamento nos motores de busca. Certamente que já reparou que quando pesquisa algo no Google que algumas das sugestões são Blogues, Vídeos, Páginas no Faccebook, etc. Ter um site pode não ser suficiente para obter um bom ranking para aquelas palavras-chave que lhe interessam, a “guerra” de conteúdos é bem mais extensa.

É relativamente barato. Se considerarmos o potencial de visualizações, cliques, interacção com a marca proporcionados pelas redes sociais, e compararmos o seu custo com o potencial para os mesmos resultados noutros meios de comunicação tradicionais, concluiremos que o investimento continua a ser “relativamente” mais barato.

Desvantagens:

Estratégia difícil de conceber. Os sites de redes sociais são tantos, servem tantos públicos diferentes, utilizam tantas formas de veicular mensagens (texto, fotos, vídeos, jogos, Quizzs, blogues, etc) que se torna difícil decidir para onde ir, o que fazer e com que dimensão. Conselho: comece por definir objectivos, analise que sites melhor servem esses objectivos, decida a estratégia e mantenha-se fiel o mais tempo que puder.

Consome muito tempo. Falamos de redes sociais, e como o nome indica existe uma socialização, pressupõe-se uma interactividade entre os seus membros. A partir do momento em que uma empresa está presente não pode ficar quieta e calada, não basta criar o perfil e deixar andar. E isso requer tempo, muito tempo, todos os dias.

A mensagem não é totalmente controlada pela empresa. A maioria dos sites de redes sociais permitem comentários às mensagens ou itens publicados, e também esses são visíveis pelos outros membros. Quando recebemos um comentário positivo ele fica visível para todos, quando o comentário é menos positivo, também.

Balanço entre pessoal e comercial é difícil. Temos que nos lembrar que a maioria das pessoas que frequentam as redes sociais estão lá por razões pessoais, de lazer. A maioria não está interessada em ser aliciada para uma compra nesse momento, mas pode estar interessada em saber a opinião dos outros acerca de um produto ou serviço. É preciso que as empresas saibam estar para contribuir para a rede social (sociedade naquele contexto), sem arriscarem demasiado e invadirem o espaço pessoal dos membros que aceitaram conviver online com essa empresa.

Não estar é uma desvantagem. Apesar dos possíveis problemas, desafios e obstáculos que é preciso contornar; apesar de ainda hoje não ser claro qual a melhor maneira de estabelecer um Estratégia de Social Media, não estar presente nas redes sociais é sempre uma desvantagem. Não estar onde estão muitos dos nossos clientes, potenciais clientes, fornecedores, concorrentes, amigos e conhecidos não é opção. Imagine esse cenário na vida real!

 

2. Objetivos (Gerais e específicos):

 

Informar às pessoas sobre o que realmente são as redes sociais virtuais, como foram criadas, seus objetivos, curiosidades, as facilidades na troca de informações e na comunicação que trouxeram, além do lazer.

 

3.População e amostra:

Cidades entrevistadas:

Lençóis Paulista: aproximadamente 65.000 habitantes, com 153 questionários.

Arealva: aproximadamente 8.000 habitantes, com 85 questionários.

População: aproximadamente 73.000 habitantes.

Amostra: 278 questionários.

 

5. Considerações Finais:

Com esse trabalho, pudemos perceber que o trabalho em grupo é essencial, que não podemos deixar falhar a união. E nas pesquisas vimos coisas diferentes do que esperávamos. No nosso caso, que o trabalho é sobre Redes Sociais Virtuais, enquanto fazíamos as perguntas aos entrevistados, alguns não sabiam o que elas eram, algo que, quando escolhemos o tema do trabalho, achamos que todos teriam total conhecimento sobre o assunto, porém observamos que além de não saberem o que é, ainda não utilizam esse meio de comunicação que é tão fácil e viável.

 

6.Dificuldades/Sugestões:

Dentre todas as dificuldades que encontramos no desenvolvimento do trabalho, as que mais nos marcaram foram o fato de diferentes cidades no mesmo grupo, pois nem sempre podíamos nos reunir pessoalmente para melhor desenvolver o trabalho, e também a falta de tempo que os integrantes do grupo tinham, para nem sempre participar das reuniões que eram marcadas. Outra dificuldade que pode acarretar em problemas no aperfeiçoamento do trabalho é a falta de interesse de alguns integrantes. No nosso caso, algumas vezes o trabalho não foi prioridade, o que prejudicou a parte do grupo que estava interessada. No entanto, essa não foi uma das principais dificuldades que encontramos, só achamos interessante realçar que isso pode ocorrer.

As sugestões que temos para os grupos dos próximos anos é não deixar sempre para última hora o desenvolvimento do trabalho, e não falhar na comunicação entre todos os integrantes do grupo.

 

7. Referências

http://pt.wikipedia.org/wiki/MySpace

http://pt.wikipedia.org/wiki/Twitter

http://www.blogdovillela.com/2010/03/24/twitter-facebook-o-que-e-isso/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Orkut

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social_virtual

http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%ADdias_sociais

http://pt.wikipedia.org/wiki/Facebook

 

Matéria especial sobre Redes sociais, Revista Época http://www.suzieclavery.com.br/wp-content/uploads/2010/06/Redes_Sociais_Brasil.jpg

 

OBS.:Todos os posts em nosso blog estão com referência, e os usamos.

 

23. Tabelas e gráficos

1-

2-

3-

4-

5-

6-

7-

8-

9-

10-

11-

12-

13-

14-

15-

24. Slides

25. Vídeo utilizado na apresentação


 

 

 

About these ads

Ações

Informação

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: